quinta-feira, 28 de abril de 2011

Panasonic pretende demitir 35 mil funcionários até 2013


Companhia já cortou 17.650 empregos desde março de 2010.
Grupo irá extinguir mais 17 mil postos de trabalho até 2013.


portal G1
Shiro Kitajima, presidente da Panasonic, mostra o tablet da marca para jornalistas em evento para a imprensa. (Foto: Julie Jacobson/AP)Shiro Kitajima, presidente da Panasonic, mostra
o tablet da marca para jornalistas em evento
para a imprensa. (Foto: Julie Jacobson/AP)
A gigante japonesa de eletrônicos Panasonic anunciou nesta quinta-feira (28) um plano de reestruturação que inclui o fim de 35 mil postos de trabalho em todo o mundo entre março de 2010 e março de 2013.
A companhia afirmou que cortará pelo menos 17 mil empregos em todo o mundo durante os próximos dois anos, após já ter extinguido 17.650 postos de trabalho desde março do ano passado. No plano empresarial apresentado pelo grupo, o quadro de funcionários, atualmente com 366.937 empregados, ficará com 350 mil pessoas antes de março de 2013.
Em 1 de abril deste ano, a Panasonic completou a absorção da Sanyo, que no final de 2009 havia sido transformada em sua filial, e também da Panasonic Electric.
*Com informações da EFE e AFP.

quarta-feira, 27 de abril de 2011

terça-feira, 26 de abril de 2011

segunda-feira, 25 de abril de 2011

terça-feira, 19 de abril de 2011

sábado, 16 de abril de 2011

quinta-feira, 14 de abril de 2011

terça-feira, 12 de abril de 2011

Apple e Foxconn vão produzir iPad no Brasil


Dilma se encontrou com o presidente da Foxconn em Pequim.
Multinacional de origem chinesa planeja investir US$ 12 bilhões no Brasil.


Do G1, em São Paulo e Brasília


O ministro da Ciência e Tecnologia, Aloizio Mercadante, afirmou nesta terça-feira (12) que a Apple e a Foxconn vão produzir o computador tablet iPad no Brasil até o final de novembro deste ano. O anúncio de Mercadante acontece em meio à viagem da presidente Dilma Rousseff à China, onde se reuniu com o presidente da multinacional de origem chinesa.
"Tem que ser detalhado agora as condições (em que se dará a produção do iPad), onde que vai ser, logística", disse Mercadante a jornalistas.
Segundo o Itamaraty, a Foxconn, que fabrica produtos da Apple em regime de terceirização na China, anunciou a Dilma a intenção de investir US$ 12 bilhões no Brasil.
A produção de iPads no Brasil, segundo o ministro, está sendo estudada por um grupo de trabalho que envolve os ministérios da Fazenda, de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior e de Ciência e Tecnologia, além do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social.
Dilma se encontrou com o presidente da Foxconn, Terry Gou, durante seminário de negócios em Pequim, que reuniu representantes de quase 300 empresas brasileiras e chinesas.
Também nesta terça-feira, Dilma se reuniu com presidente chinês, Hu Jintao, para a assinatura de acordos de cooperação nas áreas de política, defesa, ciência e tecnologia, recursos hídricos, inspeção e quarentena, esporte, educação, agricultura, energia, energia elétrica, telecomunicações e aeronáutica, entre outros.
Investimentos
O investimento anunciado pela Foxconn reafirma o interesse da China no Brasil. Em 2010, a China liderou os investimentos diretos feitos no Brasil, com negócios que somaram cerca de US$ 17 bilhões, de acordo com estimativa da Sociedade Brasileira de Estudos de Empresas Transnacionais e da Globalização Econômica (Sobeet).
Os US$ 12 bilhões anunciados superam a previsão de investimento da Petrobras, a maior empresa brasileira, no exterior. Até 2014, a estatal prevê investir US$ 11,7 bilhões fora do Brasil.
Apesar do volume, o investimento fica atrás de outros já anunciados no Brasil este ano. A petroleira britânica BG Group, por exemplo, deve colocar US$ 30 bilhões no Brasil até o final da década. Parte desses investimentos devem ser usados na criação de um centro tecnológico.
Já o Grupo Telefônica tem plano de investir R$ 24,5 bilhões no Brasil durante os próximos quatro anos, de 2011 a 2014.Os recursos serão aplicados na modernização e expansão de redes, lançamento de produtos e serviços em telefonia, banda larga e TV por assinatura.
A empresa
A Foxconn, fundada em 1974 em Taiwan, é uma das maiores fabricantes de aparelhos eletrônicos no mundo. A companhia monta computadores e aparelhos para empresas como Apple, para a qual produz iPods, iPads e iPhones, placas-mãe para a Intel, componentes para PCs da Dell, celulares da Motorola e videogames como o PlayStation 3, da Sony, Wii, da Nintendo.
No Brasil, a empresa fabrica produtos para Sony, Dell, HP e Sony Ericsson e possui hoje três fábricas: em Manaus (AM), Indaiatuba (SP) e Jundiaí (SP). A Foxconn iniciou as suas atividades no país em 2005, com a fabricação de celulares. Mais tarde, a empresa passou a fabricar máquinas fotográficas digitais. Em 2007, inaugurou a sua maior fábrica no país, em Jundiaí, para a fabricação de computadores, notebooks e netbooks, além das placas mãe desses equipamentos.
Atualmente, a Foxconn está presente em 14 países.
Tablets no Brasil
O Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior realiza até sexta-feira (15) consulta pública sobre as condições para a inclusão dos tablets (microcomputadores portáteis sem teclado e com tela sensível ao toque) no Processo Produtivo Básico (PPB), o que possibilitaria a redução de impostos do equipamento. O Ministério das Comunicações, que solicitou a consulta pública, estima que, com a inclusão no PPB, os tablets terão redução de até 31% nos preços na comparação com os importados, já que o IPI cairia de 15% para 3% e o ICMS, caso a produção seja em São Paulo, de 18% para 7%.
A consulta começou no dia 1º de abril e sugere as condições de fabricação do produto. De acordo com a proposta de portaria publicada na convocação da consulta, a produção nacional de componentes dos tablets, como placas e carregadores, devem aumentar gradativamente a cada ano até 2014. As empresas devem ainda encaminhar relatório anualmente sobre os componentes adquiridos no mercado nacional.
Outra possibilidade é a inclusão dos tablets na lei 11.196, originada pela MP do Bem, que isenta de PIS e Cofins a venda de computadores e modems até o fim de 2014. O Ministério da Fazenda, que decide questões de desoneração, informou que não apresenta temas ainda em discussão e que não há nada formalizado sobre o assunto.

PEP5 - EXCEL 2.2

COREL 21

quinta-feira, 7 de abril de 2011

Sete dicas para não se prejudicar nas redes sociais

Segundo especialistas, as informações publicadas podem ter um peso muito grande e prejudicar profissionalmente
www.economia.ig.com.br


As redes sociais vêm se tornando parte também da vida profissional das pessoas. Construir um networking, trocar informações, conseguir colocações, divulgar portfólio e buscar recomendações de chefes e colegas são algumas das oportunidades que redes como Facebook, Twitter, Orkut e Linkedin oferecem.
Mas como viver bem conjugando suas necessidades profissionais e pessoais? Veja algumas dicas dos especialistas consultados pelo iG Carreiras:
1. Escolha a mensagem de acordo com o canal – “Se uma pessoa se propõe a ter um perfil em uma rede social, ela tem que saber que as informações divulgadas serão acessadas por diversos públicos . Por isso, para falar sobre assuntos mais pessoais, tenha um canal de acordo, como o Orkut e o Facebook. Questões profissionais podem ser tratadas no Linkedin. Tudo é uma questão de saber se adequar”, aconselha Lívia Lampert, presidente da Associação Brasileira das Agências Digitais do Rio Grande do Sul.
Mas, segundo Maurício Noznica, que atua na área de planejamento da agência de publicidade Rinocon, independentemente de pessoal ou profissional, é preciso agir sempre como se estivesse em um local público. “As informações que estão na rede podem ser acessadas por qualquer pessoa. Isso exige cuidado. O ideal é deixar suas intimidades e radicalismos para momentos individuais mesmo.
2. Tenha cuidado com o que publica – “O importante é fazer um bom uso da rede social. Não publique coisas irrelevantes que possam atrapalhar sua imagem. O fundamental é aproveitar ao máximo que aquele canal tem para oferecer”, afirma Lívia.
Segundo Camilla Faccini, analista de recursos humanos da Training X, é preciso muito cuidado com o que você expõe nas redes de relacionamento. “Além disso, as pessoas às quais você está ligada também podem interferir muito. É preciso ter cautela e limitar seus amigos, para que você não seja surpreendido com comentários sobre a sua vida pessoal.”
3. Saibar usar seu perfil social – “A pessoa não precisa fazer dois perfis: um profissional e um pessoal. O importante é saber segmentar. Buscar uma rede para as necessidades de trabalho e outra para amigos”, destaca Lívia.
Na opinião de Camilla, dois perfis podem mais atrapalhar do que ajudar. “Se você tem dois perfis na mesma rede, pode ficar parecendo que quer esconder algo ou mostrar uma pessoa que não é. Não vale a pena. É melhor ser mais cuidadoso e evitar escrever coisas que possam te prejudicar.”
Para Noznica, o ideal seria ter dois perfis para cada rede. Um para conversar amenidades e outro mais profissional. Entretanto, isso é inviável. “Para ter dois perfis em cada lugar, você iria passar o dia todo atualizando. Hoje há muitas ferramentas e redes sociais. É mais fácil você prestar atenção no que escreve do que fazer perfis diferentes.”
4. Direcione as redes de acordo com seus objetivos – “O Linkedin, por exemplo, tem um lado mais profissional. Já o Facebook e o Orkut são mais uma rede de relacionamento com amigos, algo mais pessoal. Assim, é importante que a pessoa tome cuidado em não colocar coisas irrelevantes em cada um deles”, ressalta Camilla.
5. Atenção com os recrutadores – Algumas empresas utilizam as redes sociais para definir o perfil de quem estão contratando. “As informações que são publicadas podem acabar prejudicando a pessoa na hora da contratação. Muitos recrutadores usam isso até na finalização de processos seletivos”, diz Camilla.
6. Cuidado ao endossar comunidades ou páginas de terceiros – Participar de comunidades que incitem o ódio ou o preconceito, por exemplo, pode ser um tiro no pé de quem está em um processo de recrutamento – e, de resto, pode prejudicar sua imagem com todos os seus contatos.
7. Não negue convites – Quando você entra em uma rede social, precisa ter a consciência de que estará exposto. “Não tem como fechar essa rede e negar convites de conhecidos do trabalho apenas porque não quer que eles te conheçam no lado mais pessoal. Se você aceita em uma rede, como o Linkedin, mas não aceita no Facebook, fica parecendo que você tem algo a esconder”, destaca Camilla. Por isso, o cuidado com o que você deve ou não publicar sobre você.

PHOTO SHOP 11 - PONTO EXTRA








terça-feira, 5 de abril de 2011

segunda-feira, 4 de abril de 2011

EXCEL 10

RAPIDINHA

"Grandes frases" ditas por jogadores de futebol... 


Chegarei de surpresa dia 15, às duas da tarde, vôo 619 da VARIG. 
(Mengálvio, ex-meia do Santos, em telegrama à família quando em excursão à Europa) 
'Tanto na minha vida futebolística quanto com a minha vida ser humana.' 
(Nunes, ex-atacante do Flamengo, em uma entrevista antes do jogo de despedida do Zico) 
'Que interessante, aqui no Japão só tem carro importado.'
(Jardel, ex-atacante do Grêmio)

'As pessoas querem que o Brasil vença e ganhe.'

(Dunga, em entrevista ao programa Terceiro Tempo)

'Eu, o Paulo Nunes e o Dinho vamos fazer uma dupla sertaneja.'

(Jardel, ex-atacante do Grêmio)

'O novo apelido do Aloísio é CB, Sangue Bom.'

(Souza, meio-campo do São Paulo, em uma entrevista ao Jogo Duro)

'A partir de agora o meu coração só tem uma cor: vermelho e preto.'

(Jogador Fabão, assim que chegou no Flamengo)

'Eu peguei a bola no meio de campo e fui fondo, fui fondo, fui fondo e chutei pro gol.'

(Jardel, ex- jogador do  Grêmio, ao relatar ao repórter o gol que tinha feito)

'A bola ia indo, indo, indo... e iu!'

(Nunes, jogador do Flamengo da década de 80)

'Tenho o maior orgulho de jogar na terra onde Cristo nasceu.'

(Claudiomiro, ex-meia do Inter de Porto Alegre, ao chegar em Belém do Pará para disputar uma partida contra o Paysandu, pelo Brasileirão de 72)

'Nem que eu tivesse dois pulmões eu alcançava essa bola.'

(Bradock, amigo de Romário, reclamando de um passe longo)

'No México que é bom. Lá a gente recebe semanalmente de 15 em 15 dias.'

(Ferreira, ex-ponta esquerda do Santos)

'Quando o jogo está a mil, minha naftalina sobe.'

(Jardel, ex-atacante do  Grêmio e da Seleção)

'O meu clube estava a beira do precipício, mas tomou a decisão correta, deu um passo a frente...'

(João Pinto, jogador do Benfica de Portugal)

'Na Bahia é todo mundo muito simpático. É um povo muito hospitalar.'

(Zanata, baiano, ex-lateral do Fluminense, ao comentar sobre a hospitalidade do povo baiano)

'Jogador tem que ser completo como o pato, que é um bicho aquático e gramático.'

(Vicente Matheus, eterno presidente do Corinthians)

'O difícil, como vocês sabem, não é fácil.'

(Vicente Matheus)

'Haja o que hajar, o Corinthians vai ser campeão.'

(Vicente Matheus)

'O Sócrates é invendável, inegociável e imprestável.'

(Vicente Matheus, ao recusar a oferta dos franceses)
 
  
AGORA SENTA E CHORA......COMPARE O SALÁRIO DELES COM O SEU...

sexta-feira, 1 de abril de 2011